Historial 

 

O Teatro do Noroeste – Centro Dramático de Viana, CRL., companhia profissional de teatro residente no Teatro Municipal Sá de Miranda, em Viana do Castelo, fez a sua estreia pública em 6 de Dezembro de 1991, sendo o mais antigo projeto profissional de criação artística em atividade no Alto Minho.

Entre 1996 e 2010, realizou o FESTEIXO  Festival de Teatro do Eixo Atlântico, que apresentou 201 diferentes criações, num evento que durante década e meia foi uma referência na atividade teatral transfronteiriça entre Portugal e Espanha.

 

Em 1997, fundou a primeira companhia profissional de dança contemporânea do Alto Minho, a Dança do Noroeste, com orçamento do próprio Teatro do Noroeste  CDV.

Em 1997, o Teatro do Noroeste  CDV fundou também o Varazim Teatro, grupo de teatro amador sediado na Póvoa de Varzim, que se mantém em atividade.

Em 2003, o Teatro do Noroeste  CDV fundou as Comédias do Minho, a convite dos municípios de Paredes de Coura, Cerveira, Valença, Melgaço e Monção, fruto de 12 anos de atividade teatral desenvolvida em todos os concelhos do distrito de Viana do Castelo.

 

Neste percurso, o Teatro do Noroeste - CDV apresentou-se em todas as freguesias do concelho de Viana do Castelo e em todos os concelhos deste mesmo distrito desbravando, há mais de 25 anos, os caminhos da descentralização teatral no Alto Minho e criando as bases para a necessidade de uma oferta cultural alargada a outros projetos que a ação do Teatro do Noroeste - CDV direta e indiretamente provocou na região.

Para além do Alto Minho, o Teatro do Noroeste - CDV marcou presença com os seus espetáculos nos principais festivais de teatro portugueses, como o Festival Cómico da Maia, o Fazer a Festa, o FITEI e o Festival de Teatro de Almada.

Pioneiro nas relações teatrais entre o Alto Minho e a Galiza, nas décadas de 90 e 2000, o Teatro do Noroeste  CDV estreou em Portugal, textos de Roberto Vidal Bolaño, Juan Mayorga.  Mas também introduziu no nosso país obras de outros importantes autores europeus, como é o caso de Jean-Luc Lagarce.

Na Galiza, participou diversas vezes na Mostra de Teatro de Cangas e no Festival de Ribadavia e apresentou os seus espetáculos em todas as principais cidades daquele território, como Pontevedra, Vigo, Narón, Ferrol, Corunha e Santiago de Compostela, mas também, no restante país vizinho, como na Feira Internacional de Teatro de Castela e Leão, em Ciudad Rodrigo ou em salas de Madrid.

Apresentou-se ainda no Luxemburgo, Suíça, França e Brasil.

Em 26 anos de atividade realizou 134 produções, a que assistiram 591.240 espetadores, numa dinâmica de criação artística e de desenvolvimento de públicos que continuam a ser os seus vetores de atuação fundamentais.